terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Bjo, nem me liga.

23:59 de 2007 (ultimo minuto e ultimo segundo de 2007, e logo apos esse instante, primeiro minuto e primeiro segundo de 2008): "Defumo esse quarto que e so sexo e esse banheiro q todo mundo caga."

Assim comecou meu ano de 2008.
Pois e. Assim comecei meu ano de 2008.

Tinha tudo pra dar certo, ou nao. Eu sempre fui uma pessoa que tinha tudo pra dar certo, ou nao.
E acreditando que daria, comecei um novo ciclo.

Na verdade meu ano foi excelente. Poderia citar todas as datas que tive exitos, e ainda todas a que tive derrotas. Mas a vida nao e so isso. Perdi muito mais do que ganhei, isso e fato, mas aprendi muito mais do q qque coisa. Jesus, esse ano aprendi demais. Amem.
E assim foi. Conheci pessoas maravilhosas, tive contatos inesqueciveis e experiencias enlouquecedoras. Pensei q depois dos meus 15 anos eu nunca mais ia sentir tanta vertigem, mas acabei descobrindo que uma pessoa pode tirar seu chao muito mais foraz que qquer droga licita ou ilicita. Descobri que existem pessoas que sao maravilhosas e a gente acaba nao dando valor, e tb percebi que existem pessoas q sao piores q lixo, q nos ignoram com facilidade e q nem ao menos nos dao um suporte qd precisamos, independente de termos vivido uma historia juntos, ou nao. Huahauhauhaua.
Descobri q "ou nao" e a melhor saida as vezes.
Percebi q tenho amigos de verdade. Q sou otimo profissa. Q dou conta dos recados.
Senti q sou querido. Senti q tenho capacidade de amar, mais do q eu gostaria.
Viajei, malhei, chorei, sorri, cantei. Conversei, desencanei, apaguei, risquei, abandonei.
Fiz de um tudo.

Claro, se pudesse escolher, faria coisas diferentes, vamos passar longe da hiopocresia, por favor, afinal essa e uma das minhas caracteristicas mais marcantes.

Agora tudo que eu mais quro nesse momento e que esse ano acabe. Pq uma coisa eu digo: o ano pra ser tumultuado como esse.
Eu curto os anos impares e sei que pelo menos esse ano (2009) sera mais bem quisto por mim. Quero msmo ee poder renovar meus votos de que "alguma coisa vai acontecer" e que eu deixarei acontecer. De verdade. Pq eu brinquei um pouco nesse fim de 2008 e acho q ja to velho pra esse tipo de brincadeira. Quero q eu possa redescobrir o delicado da vida, a poesia intrinseca em nos, quero ter dinheiro pra fazer isso sem perrengue e quero ter FOCO pra ano q vem arrasar em alguma coisa. Entao minha palavra sera foco.

Gostaria q cada um tenha o q desejou, mas independente disso correrei atraz do q eu desejei. E quero tudo de coracao. E quero foco pro meu coracao. Acho q Deus deve estar la em cima me olhando e pensando: "esse dai, coitado, merece um pouco de amor em 2009."

Amor, do tipo de verdade, q um dia eu (mesmo q erroneamente) acreditei.
E para os restos dos mortais -que visitam esse blog- um 2009 cheio de realizations.

Me perdoem a falta de acentos e outros detalhes. Estou em um computador frances e nao me achei nessa birosca.

Pra 2009 começar bem...

Try JibJab Sendables® eCards today!

O Rio de Janeiro continua lindo



E eu nao consigo abstrair da internet.
: )

Amanha devo voltar com retrospectiva 2008.
Ahhhhhhhh

sábado, 27 de dezembro de 2008

Agora sim, o último!

Foi depois que reli (no pretérito perfeito do indicativo) o último post do ano, vi que ele não poderia ficar nos anais da história do meu blog como sendo o último e talvéz o mais melancólico post do ano.

Fiz mais um, pra encerrar o ano suave, sem muita ternura, sem muito engajamento, pois nada disso combina comigo. Não podia acabar o ano falando de coisas que já acabaram, redundâncias não trazem sorte nessa época do ano.
O que eu quero mesmo é falar do coração, eu queria na verdade saber falar francamente do coração, essa urgência de ser feliz hoje, que acaba com qualquer perspectiva de ser feliz no futuro, com os planos a médio ou longo prazo. Essa coisa de querer sempre que nossa vida tenha lógica. E lá coração entende de lógica? Coração é sentimento puro, é a urgência de pulsar de ser feliz naquele momento. Existe maior lógica do que querer ser feliz? Mesmo que pareça uma bagunça das grandes o que ele (o coração) quer no fundo é só ser feliz, sem restrições, e vale de alguma coisa um coração com restrições? Vale para alguma coisa um coração hesitante?Coração, daqueles bem bons, tem que mergulhar de cabeça, tem se jogar a beira do precipício, tem que querer arriscar e gostar disso. Porque um coração que gosta de tédio já morreu há muito tempo e não sabe. Um coração daqueles tinindo tem que gostar de cores, não só de vermelhos intensos, tem que gostar de amarelos, laranjas, rosas, azuis, verdes... E até de cinza... Porque um coração que por ventura ande cinza é uma grande oportunidade pra alguém com uma bela caixa de lápis de cor... Coração bom de verdade não é aquele zero bala, é aquele com alguns quilômetros rodados, alguns curativos pelo meio do caminho, algumas certeza e muitas dúvidas, mas antes de tudo aquele cheio de vontade, de fazer algo novo, de conhecer gente nova, de mudar o caminho, de refazer um caminho...O que eu quero em 20079 pra vocês e pra mim (principalmente, pq não sou Madre Tereza de Calcutá), antes de listas de desejos a serem seguidos, antes de listas de coisas a serem excluídas, é que vocês e eu, principalmente eu, encontremos muitos corações pelo caminho, desses dos bons, com cores diversas, com desejos de fazer amigos, com desejos de amar, com desejos de felicidades, de recomeço ou continuidade, com uma louca vontade de mudança... E até com uma dose de sarcasmos, de inveja e de preguiça – porque nenhum coração é de todo bom – e seria um tédio se fosse. Então meu desejo em 2009 é que todos nós tenhamos muitos corações pela frente, corações que irradiem cores, corações que precisam de cores, corações pintem o nosso coração com cores novas...

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Por ser o último

Se você veio aqui esperando ler um post lindo de natal, pegue seu mouse e clique no [X] pra fechar a tela. Ainda há tempo. Fico sensível nessa época do ano, isso é fato, mas não a ponto de escrever um post natalino, uma vez que detesto com todas as minhas forças esse dia.
Meu natal foi bem legal, obrigado.
Muita comida que eu não gosto, muito doce pra acabar com minha dieta, família reunida (pq isso, hein?) e crianças correndo pela casa à procura do tal Noel. Sim, Noel foi lá em casa entregar os presentes e se eu não fosse um tio coruja nem teria saído do quarto onde eu estava vendo "Seinfeld". E acredidem: eram tantos presentes que quando voltei já tinha acabado e começado "Scrubs", q eu não gosto muito.
Voltei pra Santos hoje e nem ia aparecer por aqui, juro. Tava tudo lindo, e eu nem pensava em ligar o computador pra não correr o risco de cair em tentação. Mas lembrei que tinha que mudar algumas músicas do meu Ipod, pq vou viajar e não posso mais pegar a estrada ternura, como aconteceu na volta do meu precioso natal.
Meu set list não tá dos melhores, assumo, mas voltar de Araraquara (são 5h de viagem) ouvindo músicas mais ou menos me fez "acordar" pra algumas situações.

Enfim, cá estou, atualizando o blog. Como um vício que se preze, eu já vinha imaginando um post, quando voltava no banco de trás do carro, embaçando o vidro com minha respiração, olhando lá fora a vegetação que passava rápida, entre as gotas da chuva que insistia em cair (não era pra parecer tão dramático).

Peço licença a Alanis (q por sinal fará shows no Brasil em 2009) por fazer minhas as palavras dela, e ilustro um post (q deve ser o último do ano), com a letra de uma música que eu adoro, e está saindo do meu Ipod exatamente agora.

Dear Matthew, I like you a lot. I realize you're in a relationship with someone right now, and I respect that. I would like you to know that if you're ever single in thefuture, and you want to come visit me in California, I would be open to spending time with you, and finding out how old you were when you wrote your firstsong.

Dear Jonathan, I liked you too much. I used to be attracted to boys who would lie to me, and think solely about themselves, and you were plenty self-destructive for my taste at the time. I used to say the more tragic the better. The truth is, whenever I think of the early 90's, your face comes up with a vengeance like it was yesterday.

Dear Terrance, I love you muchly. You've been nothing but open hearted, and emotionally available and supportive, and nurturing, and consummately there for me. I kept drawing you in and pushing you away, I remember how beautiful it was to fall asleep on your couch, and cry in front of you for the first time. You were the best platform from which to jump beyond myself. What was wrong with me?


Dear Marcus, you rocked my world. You had a charismatic way about you with the woman, and you got me seriously thinking about spirituality. And you wouldn't let me get away with kicking my own ass. But I could never really feel relaxed, and looked out for around you, though, and that stopped us from going any further than we did. And it's kinda too bad, because we could've had much more fun.


Dear Lou, we learned so much. I realize we won't be able to talk for some time, and I understand that as I do you. The long distance thing was the hardest, and we did as well as we could. We were together during a very tumultuous time in our lives. I will always have your back and be curious about you, about your career, your whereabouts.


terça-feira, 23 de dezembro de 2008

E pra não dizer que eu não falei de flores

FELIZ NATAL!!!!!!!!





Espero não voltar mais aqui antes de 2009, portanto:


FELIZ 2009 PRA TODOS QUE ACOMPANHAM ESSE SINGELO BLOG,
e pra todos que não acompanham, cairam aqui de pára-quedas e leram esse post.
Até o ano que vem!
: )

O nova do Michael Jackson

O astro pop Michael Jackson está lutando contra uma doença genética que o deixou quase cego. Por causa da doença, ele precisa de um transplante de pulmão, segundo o The Sun.



O autor de uma das biografias de Michael Jackson, Ian Halperin, declarou que talvez o cantor já esteja muito fraco para conseguir fazer um transplante. “Ele também tem enfisema e uma hemorragia crônica gastrointestinal, que os médicos estão com dificuldades para controlar.”



Halperin explicou que Michael herdou o que é chamado, em inglês, de A1AD (alpha-1 anti-trypsin deficiency), que faz com que a pessoa tenha perda da proteína que protege o pulmão. Ele ainda disse que o cantor “mal pode falar. A visão do olho esquerdo está 95% perdida.”



Um dos irmãos de Jackson, Jermaine, confirmou o difícil estado de saúde de Michael. “Ele não está muito bem agora. Não é um bom momento.”




Tenho medo do Michael.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

"Womanizer" na versão de Fall Out Boy

Jimmy Kimmel recebeu o Fall Out Boy em seu programa de TV ontem. O grupo de Pete Wentz começou tocando o single “I Don’t Care”, do novo Folie à Deux, mas lá pelos dois minutos e quarenta segundos emendou uma citação rápida a “Womanizer”, da Britney Spears:



Eu adorei!
: )

Silêncio

Dessa vez minha boca grande não me pega. Dessa vez eu não conto aos quatro ventos. Dessa vez eu vou ouvir a minha mãe que me diz desde pivete “se preserve” e eu como um pivete sabe-tudo nunca ouvi. Dessa fez eu faço tudo diferente, pra ver se da certo.
To cansado de surtar, pirar, de falar, de contar, de dar detalhes e tudo dar errado. Dessa vez eu vou guardar tudo de bom que me acontece. Eu não vou dividir ou vou dividir apenas a raras pessoas da lista vip do meu ser. Nada disso mais de contar tudo pra todo mundo. Nada disso de vir aqui e falar, falar, falar... Agora é só ser leve. Brisa.
Eu cansei de ser confuso, louco, intenso e perder tudo.
Eu cansei de pirar à noite, e passar semanas pra me encontrar. Eu cansei de dar detalhes de tudo a todo mundo. Pois eu sempre fiz tudo isso e sempre perdi mais que ganhei. Agora é assim, boca de siri, cara de blasé e a esperança de que essa normalidade, essa preservação toda, deixe as coisas boas acontecerem.
Mesmo querendo, mesmo morrendo de vontade de gritar meia dúzia de coisas eu não vou.

Agora é assim por aqui!

Pegajoso e doce

É, não tenho muita energia pra escrever sobre o show e tb corro o risco de ser repetitivo.
Mas, mesmo cansado e sem energia, vou lhes dizer que esse show serviu pra eu abrir meus horizontes.
Isso mesmo, os horizontes.
Tudo nessa vida tem um limite, até o sofrimento...
Pra mim já basta, deu tempo de morrer, de velar, de enterrar e de rezar a missa...
Agora deu.
Tirei o preto do luto e troquei pelas cores no show.
E me permiti deixar as coisas acontecerem.

: )

domingo, 21 de dezembro de 2008

SEN-SA-CIO-NAL

Assim que foi o show.

Mesmo ela desafinando, errando a letra, atrasando... Foi lindo.
Quase me caguei quando ela entrou e dei mini-choradinhas durante todo o show. Fiquei muito perto dela, e quando ela cantava as músicas antigas eu me imaginava adolescente vendo as fitas VHS dos shows e pensando que gostaria muito de um dia vê-la assim, ao vivo e à cores. Muitas cores. Produção impecável. Chorei mesmo, me emocionei.

Hj tem mais. E se eu soubesse que ia me fazer tão bem ir a esse show, teria comprado pra quinta tb.

Quem puder ir, eu recomendo.
Bjoemeliga, que tô indo pro show.


: )

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

E hoje...

Minha vida sempre foi um vaivém louco, com poucas regras, muitas confusões e perigos. Sempre gostei disso.
Mas eu andava tão sem gracinha ultimamente. Achando tudo um tédio.
Até que comecei a tomar uma pílula que me agita, me anima. Um composto de cafeína com guaraná, totalmente natural. Bródis, vou contar pra vocês: tomo o negocinho e não consigo dormir. Fico agitado e tenho vontades estranhas, de correr, pular corda, conversar, tudo ao mesmo tempo. Fico falante, comunicativo. Ligo pra pessoas as 4h da manhã, só pra tagalerar. Fico na cama escrevendo, fazendo planos, dançando deitado. Abro meu celular e coloco na parede e danço, olhando minha sombra refletir no armário. Viajo. Tenho certeza que fui bloqueado no msn por algumas pessoas que não aguentaram a minha vibe animação. Tomo água de 10 em 10 min durante a noite, e toda vez atravesso a sala fazendo reversões na ida e saltando na volta. Cheio de gás. Pela manhã estou moído, com dor no corpo e com sono, mas aí tomo mais duas pílulas da alegria e fico novo denovo.

Essa foi a melhor descoberta de todos os tempos da última semana.
Vou comprar mais desse elixir e arrasar no show da Madonna.



"You always love me more
Miles awayI hear it in your voice
We are miles away
You're not afraid to tell me
Miles away
I guess we're at our best
We are miles away"

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Agora

Agora já tô me cagando inteiro de pensar que tô quase quase pra ir no show da Madonna.

Mal consigo dormir, toda noite fico agitado!

"Say what you like, do what you feel
You know exactly who you are
The time is right now
You got to decide
Stand in the back or be the star"

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Só sei que é assim...

Domingo podia ter dito que o nosso amor já não me fazia nem viver nem respirar, mas ao invés disso, preferi o silêncio e saí sem falar nada. Não sei pq. Há coisas em nós que desconhecemos ou que queremos desconhecer, como se um outro eu, poderoso, comandasse mais do que esse que habita meu corpo quando estou frente à vc, e que é menos poderoso. Deve ser o medo, ou esta educação filha da puta que tivemos, ou as duas coisas. Também nunca te disse (ou disse ?) que nunca gostei de viver naquele apartamento, nem naquela cidade, e ainda menos naquela vida devagar quase parando. Não que não goste de viver. O que não gostei foi de viver na tua loucura, no teu egoísmo, nas tuas desculpas, no teu cheiro sempre insuportável da única pele que eu sinto falta até hoje. Mas viveria tudo denovo, se eu pudesse escolher. No mesmo rítmo. Pq o seu rítmo me desacelerava, e fazia tremer minhas pernas, e me dava vertigem só de estar paradinho, respirando. Melhor que qualquer droga que já experimentei. Não sei como é que se entende que a pessoa que nos ama, e que também supomos amar, nos olhe com tanto ódio e deixamos, em nome desse amor, que alguém nos faça tanto mal. E deixamos, concordando com isso, sabendo que isso é errado. Mas é errado? Claro que a verdade tem dois caminhos, segundo você. Quanto a mim, sei agora: confundi solidão com estar só. E, de certa maneira, morri. Morri lentamente. Morri ao longo desses intermináveis anos. Pq namorei com você desde a primeira vez que te vi naquele quarto de hotel, nem me lembro a data. Longos, tão longos anos. Sofridos e gostosos.

Sei que tu pensas que te culpo. Agora já não. Nem a mim. Agora também já não me culpo mais. A capacidade de perdoar é a única forma que temos de nos libertar.



E tu? Já te perdoastes?

Sticky & Sweet

Ai gente, já ouvi dizer tanta coisa sobre o show, mas nem me importo. Tô mega empolgado pra ir.
Perdi minha carteirinha de estudante falsificada, não tenho amigos pra me acompanhar, trabalho no sábado até a hora do almoço, tô todo cagado, mas juro, não tô nem aí!

É Madonna, né?






Preciso decorar as letras novas pra não fazer feio na frente das bixinhas que já sabem tudo!
uahuahuahuahuahuhauhauhauahuahua

domingo, 14 de dezembro de 2008

Do me livro II...

Sabe aquela página que eu arranquei??

Então, hoje eu colei ela, dei uma lidinha gostosa e arranquei denovo.


Temo estar virando palhaçada!

sábado, 13 de dezembro de 2008

Um brinde

Mais uma vez é da seguinte forma que acontece, quando demonstram interesse por você, isso não te excita tanto, agora quando você tem que correr atrás, e o faz, acaba se fudendo (desculpe o uso da palavra) porque no final vai ser chutado,tratado com indiferença, afinal, vai aparecer outra pessoa.


Acho que a pior parte é escutar : "Não fique triste, você é tão bonito... Tal pessoa não te merece, e posso falar uma coisa: vc está melhor sozinho. Outras pessoas virão!"


Enfim, brindo então todos aqueles seres que me machucaram, que me chutaram e fizeram qualquer ação parecida, e brindo os que virão! Mal posso esperar..


Minha frase definitivamente é: "When I hit the bottle, 'cause i'm afraid to be alone" - Quem não entende, vá ao Google Talk!


E hoje me jogo por aí, pra brindar essa fase em que eu pensei ter me encontrado, e na verdade só me enganei.

Desce a cerveja, vamos começar!

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Do meu livro...

Sabem aquela página que eu tinha virado???

Pois então, arranquei do livro, pra não ler nunca mais.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

De jeito maneira...

Não estou apaixonado. Vocês entenderam errado. Nécas de pitibiribas de paixão nesse coração. Sou uma pessoa fria, sem sentimentos. A citação de ontem foi só pra deixar claro que a própria vida se encarrega de empurrar a tristeza e deixar lugar pra alegria entrar. Não quer dizer que eu deixo entrar, mas o espacinho tá bem aqui. Na verdade eu deixo entrar sim. Cada um preenche o seu lugar da alegria da maneira que quiser.
Sou covarde, admito. Mas não quero nem tentar preencher esse espaço com uma pessoa. Desde quando alegria está relacionada a ter alguém??

É fato que com o passar do tempo vamos "encovardando". As crianças não tem medo pq não conhecem o risco das coisas. Os adolescentem não tem medo pq se acham os donos do mundo e sentem que tem todo tempo pra realizar tudo. É da natureza adolescente arriscar, não ter medo do futuro.

Mas a gente cresce e fica idiota. Sabemos que não temos mais todo tempo do mundo e já vivemos experiências que nos disseram que o mundo não é nosso. Tememos começar relacionamentos por achar tarde demais e adquirimos verdadeiro pânico de terminá-los exatamente pelo mesmo motivo.

Raros são os que se salvam, raros são aqueles que a vida liberta e não aprisiona. E relacionamentos assim eu não vou ter mais. Já tive, foi bom, lindo, mas não tenho a mais remota esperança de tê-los novamente.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

É...

"Pois esse impulso às vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento te supreenderás pensando algo como 'estou contente outra vez'."

Caio Fernando de Abreu.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Fabuloso

Pois é, assim que fechei o ciclo de 2008.
Uma viagem maravilhosa, pessoas maravilhosas, paz, diversão, descontração. Muito luxo, pouco lixo e toda saúde do mundo pra gozar no final. Muitas estrelas, muita comida, abraços apertados e corações acelerados. Ginástica o dia inteiro, riso frouxo e muita alegria a noite inteira. Dança, de todos os tipos. Sono atrasado, reflexo das noites mal dormidas e bem curtidas. Contatos inesperados e pasmem: 15 dias em Belém do Pará, em janeiro de 2009. Será que eu tô feliz?
E a competição foi boa. Teve suor, e quando digo isso não é metaforicamente. Teve sangue também. Sangue de verdade. Mas quem se importa??? Foi a melhor cometição do ano. Pra fechar com chave de ouro.



: )



Voltei people.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Pensamento do dia

"Quanto mais você suar no ginásio de treinamento, menos você sangrará no campo de batalha."




Desconheço a autoria, mas foi dito pra mim hoje, pelo meu coordenador.
Amanhã viajo pra Curitiba, a última batalha do ano. Espero não sangrar...

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Tópicos

- Por favor, quando alguém conseguir entender o ser humano me ensina? Eu ainda não consigo e nem sinto que estou perto de conseguir entender.

- Lembro que Cazuza dizia que o tempo não para. Eu tô sentindo isso. Não pára não, não pára!

- O orkut está cada vez mais enlouquecido. Daqui a pouco ele não vai mais precisar de mim, vai se virar sozinho, por transmição de pensamento. Medo.

- Reveillon provavelmente passarei no Rio, pra minha alegria. Amo aquele lugar!

- Odeio o sol. Dói, arde, me irrita. Queria ser moreno jambo, ter 2m e não precisar pegar sol. Ia pegar muita mina e quebrar a cara dos trôxa que cruzassem meu caminho.

- Quinta viajo pra Curitiba, último evento do ano (espero). Já tô no clima de férias faz tempo.

- Desisti de trabalhar na loja, quero mesmo é viajar dia 26 e voltar Deus sabe quando.

- Tenho andado irritado, mas acho que é a tensão do fim do ano. Vamos fazer uma novena pra que isso passe logo, pq eu posso garantir, quando sou chato, sou muuuuuuuito chato.

- Mudei meus horários no clube pq conviver com as mesmas pessoas durante o ano todo tava me irritando e adivinhem: a pessoa que eu mais O-DEI-O também mudou seu horário, pra minha alegria. Eu devo ter sido muito mala na outra encarnação.

- Eu ainda teria algumas coisas pra falar em função de outras coisas que aconteceram, mas, ainda não é o momento.

- Quem lê isso pode até pensar que eu sei o momento certo de fazer as coisas... Rá!




Beijas


: )

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Mudaram as estações, nada mudou...

Tudo pq eu acredito em você... ainda.

Quando digo “eu acredito”, o que sai da minha boca subverte o óbvio e dá as mãos a uma pluralidade surpreendente, às vezes ininteligível, de sentidos; e entre “não duvido” e “tenho fé” cabem vários de mim, todos carregados dos meus sotaques, e vícios, e signos, todos entrelaçados ao que sinto cada vez que respiro fundo e me reconheço – e me recomeço.

“Eu acredito” pode ser calado: abraço quente de calor colado ao corpo, ou um silêncio pontuado de pequenos gestos apaziguando as exacerbações da minha alma anárquica. “Eu acredito” pode ser calado, nunca mudo, nem cego – pois “eu acredito” pode ser, também, “eu vejo” e “eu desacredito em quem diz que não vê”. “Eu acredito” pode ser os meus olhos cheios de riso ainda que eu chore – pois eles não se turvam e sempre brilham, e vêem através. “Eu acredito” pode ser “eu amo”, assim, um amor intransitivo. Um amor intransitivo e, apesar de uno, um amor plural, desses que desobedecem as semânticas, transcendem aforismos, rejeitam silogismos: meu amor é linguagem outra, própria.

“Eu acredito” pode ser “eu vou” – me dou o direito de não renunciar ao próximo passo. “Eu acredito” pode ser “eu posso”. “Eu acredito” pode ser “eu quero”. “Eu acredito” pode ser “é meu”. “Eu acredito” sou eu parado no meio da rua observando rostos desconhecidos que jamais esquecerei, sou eu rabiscando no ar as palavras que invento, sou eu aqui e ali, particulado, sem me perder de mim, sem me negligenciar ou diminuir – pois “eu acredito”, antes de qualquer coisa, é sempre “eu acredito em mim”. “Eu acredito” sou eu cansado, ferido, coberto de receios, às voltas com meus descontroles, e cruzes, e monstros, mas de pé. “Eu acredito” pode ser – e invariavelmente é – “eu vivo”. E, seja como for, eu acredito.


Texto foda, adaptado em gênero por mim, mas que foi escrito pra mim por uma mocinha que sabe realmente como fazer isso.

domingo, 30 de novembro de 2008

"A city like no other"

Amei e roubei do Alexandre, que roubou da Karina, que não roubou de ninguém. Pelo menos não disse.

Luzes, aplausos... o espetáculo já vai começar



A sensação de estar no palco é uma das melhores coisas que já senti na vida, cada vez é uma coisa nova. Uma mistura de todas as emoções existentes, não sei como explicar. Sentia MUITA saudade daqueles segundos entre apagar a luz da platéia e abrirem as cortinas para um MUNDO MELHOR!!!!




sábado, 29 de novembro de 2008

Das coisas que eu coloco na cabeça

Quando eu cismo com uma coisa, ninguém tira de mim até que eu consiga realizá-la.
E esse final de ano estou decidido a não trabalhar com a ginástica. Não quero passar aquele sufoco dentro do ginásio com meia dúzia de alunos, um calor infernal e pouco dinheiro no bolso. Quero trabalhar em loja. Isso mesmo, no shopping.

Fiz meu currículo, inventei algumas coisinhas, imprimi e fui pro shopping. Pensei em ir só nas lojas que me interessavam, aquelas que eu costumo gastar muito dinheiro.
Passei em frente a Colcci, entrei, cumprimentei os vendedores que estão acostumados a desmontar a loja pra mim e chamei a gerente. Ela vem, me chama pelo nome, indaga pela minha mãe, me dá um beijo e pergunta em que ela poderia me ajudar. Sem a menor vergonha na cara eu disse em alto e bom tom que gostaria de deixar um currículo para trabalhar na loja no final do ano. Pra minha surpresa foi tudo muito simples.
Ela me chamou numa salinha que eu jamais imaginei que existisse dentro da loja. Nem olhou meu currículo e disse que iria começar uma entrevista. Uma entrevista diferente daquela vez. Ela queria que eu contasse a história da minha vida.
Ótimo! Eu já tinha decorado os cursos que tinha inventado no currículo, tinha ensaiado algumas falas pra contar como foram minhas expriências anteriores e ela me pede pra contar a história da minha vida.
Fiquei super confuso. Não sabia por onde começar. Qual história seria mais legal pra ela ouvir, a minha história de menino mimado, que nunca trabalhou, que nem imagina como se dobra uma calça, ou a história do garotinho sofrido, que os pais se separaram e tive que trabalhar desde cedo pra ajudar minha mãe que não tem uma perna?? É, essa não ia colar. Ela sabe que eu gasto quase todo meu salário na loja, conhece minha mãe, sabe que ainda é casada e tem as duas pernas. Respirei fundo e comecei...

Contei a minha real história, que não sei pq é tão engraçada pros outros. E durante a minha narração ela soltava algumas perguntas no ar, tipo "que estilo de música você gosta?", "qual sua qualidade principal?", "você namora?", "qual defeito você não suporta em uma pessoa?", "você sabe das últimas tendências da moda?", "qual sua comida preferida?" "quantas horas por dia vc dorme?", "você já amou alguém?", "quanto tempo durou seu namoro mais duradouro?" "você gosta de praia?". Enfim, algumas perguntas eu entendo que faça sentido, uma vez que ela quer contratar alguém pra lidar com o público, agora, que diferença faz o tempo que durou meu namoro mais longo? Em que vai interferir no atendimento se eu gosto de comida vegetariana? Qual o grande impecilho de contratar alguém que não gosta de ir à praia de Santos?

Alguém sabe me explicar?

Acabamos a entrevista 1h depois, ela com um sorriso largo no rosto e eu com a sobrancelha franzida, super desconfiado de que tinha uma câmera escondida em algum lugar, que aquilo era uma pegadinha.

Ela me disse que gostou muito da minha história, que me ligará na próxima semana pra me dizer quando começo o treinamento. Não sei se é verdade, as pessoas que trabalham em loja costumam mentir em relação as roupas, penso que elas podem mentir em relação à qquer coisa.

Não estou otimista, mas imagina que legal seria eu poder trabalhar na Colcci e comprar roupas pra mim muito mais baratas???
Ai, fico emocionado só de pensar nessa hipótese!



: )

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Só por Deus!

Tem uma pessoa no mundo que eu O-DEI-O. Essa pessoa possivelmete lê meu blog diariamente. Entra no meu orkut também, e tenta controlar minha vida achando que a internet vai dizer o que realmente faço dela. Mal sabe ele que o que faço de bom realmente não coloco aqui pra todo mundo ler. Ele se infiltra no meio das minhas amizades de anos, ficar suuuuuper amigo de minha ex-namorada, vira best friend, repentinamente, de pessoas que o tempo e a distância acabaram afastando de mim.

Ontem tentei lembrar o porquê eu odeio essa pessoa. Engraçado, não existe um motivo que seja marcante. Tipo: "não gosto de Fulano pq ele é desonesto", ou "não curto beltrano pois não me agrada a forma q ele trata as pessoas".
Esse coitado nunca me fez nada.
Não lembro a primeira vez que o vi, mas sei que desde os primórdios de sua aparição em minha vida eu não gostava da forma como andava, nem o jeito que se comportava, nem a maneira que falava e gesticulava. Mas tudo bem, isso acontece algumas vezes e depois que conhecemos a pessoa essa impressão acaba mudando.
Não aconteceu com ele. Frequentamos o mesmo ambiente, diariamente, e até hoje acho ridícula a forma q ele anda. Acho até que piorou de um tempo pra cá. Não suporto vê-lo conversando com as pessoas e rindo de tudo, feito uma bixa louca insandecida, mesmo que o assunto não tenha a menor graça. Detesto quando ele se faz de louco, finge que não escuta, olha pro horizonte e espera que o chamem novamente. E o pior, quando gritam por ele, consequentemente aparece naquele rosto oleoso um semblante surpreso misturado com indignação por a pessoa estar gritando o nome dele tão alto, desnecessariamente, pois no seu mundinho de faz de conta, ele realmete acredita que é a primeira vez que estão chamando.

Eu não falo com ele. Apenas o necessário. Claro, sempre com muita educação me dirijo a ele, mas só quando é REALMENTE necessário.

Esse ódio no coração, essa raiva, não me fazem bem e eu sei disso. Tento trabalhar isso em mim. Depois que vi "O segredo", comecei a mentalizar coisas boas sobre ele, esperando que nossa esfera de energias melhorasse. Mas não dá. É muito difícil pra mim.

Desde sempre passo meus dias normais, com ou sem a presença dele, simplesmente finjo que ele não está alí e sigo minha vida tranquilamente.
Ultimamente isso tem sido mais difícil. Ele aarece em lugares onde não deveria estar, ambientes q eram meus até então. Lugares onde eu me sentia bem, confortável, onde ia pra relaxar. Sinto que tem virado uma guerra, uma disputa de espaço. Mas tento não me estressar.

Apesar de ele aparecer com bermudas xadrez (tudo bem, xadrez todo mundo usa e foi tendência na estação passada) IGUAIS as minhas e colocar no seu celular o MESMO toque que está no meu, eu não devo ficar encanado com isso. Provavelmente é só uma infeliz coincidência.

Não sei se agora isso me irrita mais que antes, pq sem namorar eu tenho mais tempo livre pra pensar besteira ou se ele tá aumentando a dose da falta de identidade.

Sei que não posso mais suportar. Espero, do fundo do meu coração que você leia esse post. Posso até imaginar sua cara diante do computador, rindo ironicamente, como se isso tudo fosse uma calunia. Mas você sabe que não é. As pessoas também sabem que não é, pois elas comentam comigo (e essa é a hora que eu dou risada), mas claro, elegantemente me faço de desentendido e digo que são só coincidências.

Você pode continuar usando as bermudas, já não quero mais usar xadrez, mas vê se muda o toque do seu celular, pq disso eu não abrirei mão. Muda também seu círculo de "falsos" amigos, porque eu sinto que as pessoas te aceitam pq tem pena de vc.






Ahhh, se você me ama, não tenha medo. Pode vir falar comigo.
Tenho cara séria, mas você sabe que eu sou simpático, sempre. Posso até autografar uma bermuda minha e deixar com vc!


; )

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Mundo Melhor



Chega essa época do ano e eu fico sensível, um absurdo.

Esse ano resolvi emprestar a minha imagem (já que ando dando ela por aí mesmo) em pról de uma boa causa. Eu, Diego Dôres (Dança no gelo), Edinanci Silva (campeã pana de Judô), Juliana Góes (ex - BBB) e outras pessoas que foram importantes para o esporte, ou não (???), nos exibiremos em única apresentação (pq a idade não permite que façamos duas), para arrecadar fraldas, leite em pó, brinquedos (novos, por favor) e produtos de higiene pessoal, que serão doados para uma instituição que eu não me lembro o nome agora.

Vai ser um lindo evento e se eu fosse vcs não perderia por nada. Vai saber quando ficarei sensível denovo a ponto de aceitar me apresentar!

Compareçam.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Cuidado comigo

Então que eu atropelei um motoqueiro que estava parado, quietinho no canto dele. Eu, como sempre atrasado, esbaforido, me trocando dentro do carro e procurando o telefone que tocava. Pra piorar a minha situação, exatamente naquele retorno que eu viro sempre, colocaram um semáforo sem me avisar e eu me assustei com ele. Conseguem imaginar tudo isso ao mesmo tempo?

O resultado foi que eu empurrei o motoqueiro uns 3 metros e ele foi segurando a moto, pulando em um pé só e olhando pra trás, com vontade de dizer que minha mãe tem a profissão mais antiga do mundo. Mas ele se controlou.

Saí do carro, perguntei se ele estava bem (e vi que estava), perguntei se a moto estava inteira (aparentemente estava) e ia fugir, como de praxe, quando ele me reconheceu:
- Hey, você dava aula no Regatas? Lembra de mim?

Claro que eu não lembrava. Sabe quantos anos faz que eu dei aula no Regatas? Nem eu sei. Sei que o Regatas até fechou, por conta do acidente que teve no show dos Raimundos, processos e processos, o clube tá fechado há mais de 5 anos. Maaaaaas eu disse que lembrava, claro.

Ele e o irmão dele nadavam lá e eu era treinador da ginástica e naquela época, atleta tb. Sempre nos encontrávamos (segundo ele) e ele era interessado em uma aluna minha, que chamava Mileine. Essa eu me lembro bem. Isso ele me contou depois que fui até a casa dele, fazer um acordo de concertar a placa da moto e o pézinho que entortou quando a moto foi arrastada.

Nessa brincadeira eu saí no prejú, pra variar, mas pelo menos ele não chamou a polícia pra fazer o B.O. Eu estaria em pior situação se a polícia fosse solicitada. Minha carta tem mais pontos que estrelas no céu.

Nessas horas eu agradeço por estar aqui na terrinha e ser conhecido e aclamado por todos. Mas confesso: preferia estar em sampa, ser só mais um, e fugir lindamente, sem pagar nada a ninguém!

=p

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Nova temporada.

Ontem tive que fechar um ciclo. Não tive escolha.


Foi triste separar as coisas. Pegar tudo. Trazer devolta. Deixar num canto guardado.


Mas fiz.





Tive que virar uma página que eu não queria virar. Queria ler mais vezes. Queria reler alguns parágrafos muitas, muitas vezes.





Não sei como vai ser o próximo capítulo. Vou ter que começar tudo denovo. Quero um novo enredo, uma nova trama, novos personagens.





Fim dessa temporada. Ou melhor: Série Cancelada.





Minha nova série vai ser comédia. Como Will & Grace, como Ugly Betty, como Samantha Who.








Coming soon.



: )

Hoje

"Eu queria chorar... mas me disseram que homem não chora... eu queria amar... mas não tenho mais coragem de tentar... Eu queria ter motivos pra estar feliz hoje, mas algo me impede... o que é esse sentimento ruim que me consome cada vez mais... será saudade? será carência?! Eu sempre fui feliz... não sei o que é estar triste... afinal, é o que dizem... Não quero ficar triste por nada, nem por ninguem... não quero que alguem pense que se deu bem me vendo chorar... mas afinal... homem não chora, então não vou me preocupar... Na verdade, eu não me importo... se tiver que chorar eu choro... afinal... homem chora... chora tanto quanto qualquer mulher... Porque eu estou falando isso... talvez seja depressão... haa... ta bom... depressão é coisa de mulher... homem não tem dessas coisas... Homem é forte... homem tem que aguentar tudo, sem reclamar... Afinal, quem foi o idiota que disse isso... Homem chora, homem fica triste, homem ama, homem tem suas carências.... Não seja um covarde... Seja homem e assuma isso... Assuma que você precisa chorar e precisa de alguem pra secar suas lágrimas..."


Desconheço a autoria

domingo, 23 de novembro de 2008

Tanto faz...

Ainda não sei muito bem que dia da semana é hoje. Mas não importa.
Tô em casa, dormi na minha cama. Adoro minha cama. Na minha cama não tem manchas no lençol e eu sei que ninguém dormiu nela antes de mim.
Revi meus pais e minha cadela.

Faz um sol MARA ("mara" é a gíria mais usada de todos os tempos da última semana pelos adolescentes do Brasil, e significa maravilha ou maravilhoso) lá fora, e meu pais preparam o almoço. Deduzo que seja domingo, pela programação na televisão, mas não me importa o dia de hoje.

Vou à praia, arejar a vida (como diz gente fina). Organizar as idéias. Relaxar, simplesmente.

Beijas

: )

sábado, 22 de novembro de 2008

101 coisas...

Estou indo pro meu último destino antes de voltar pra casa. Com tempo sobrando, resolvi escrever bastante.
Sun, quando comemorou seu 101º post, nos deixou um presente:

1. Falo com pessoas há anos, mas não sei o nome delas.
2. Não gosto do meu nome. Queria ser Lucas ou Mateus. Mateus não, queria ser Lucas. Minha irmã nasceu primeiro e foi Tatiana, logo, virei Thiago.
3. Tenho 25 anos mal vividos.
4. Nasci lindo, loiro e gordo. E quando criança era simpático.
5. Continuo loiro e gordo. Simpatia se perdeu em algum lugar da minha adolescência.
6. Brinquei "pácaraio" na minha infância.
7. Minha infância acabou aos 10 anos, quando comecei a treinar das 14h as 20h todos os dias.
8. Minha mãe foi ginasta e só me contou isso quando eu já fazia ginástica há mais ou menos 2 anos. Ela não queria que eu seguisse o mesmo caminho.
9. Não me dou bem com a minha mãe. A gente se pega feito cão e gato.
10. Tenho um cão. Aliás, uma cã. Chama Madonna.
11. Mas gosto mesmo de gatos.
12. Quando era pequeno, morava em frente um campo de futebol enorrrrrrme (hj em dia é um shopping) e todo ano tinha circo em frente a minha casa.
13. Eu entrava por baixo da lona, todos os dias, e assistia os ensaios que eram à tarde.
14. Acho que vem daí minha tendência a ser palhaço.
15. Tenho uma irmã mais velha e ela gostava de implicar comigo. Depois de um tempo, passei a não dar bola e ela parou. Hoje em dia ela me manda mensagem no celular pra dizer que me ama. Lindo, não?
16. Já morei em Santos, Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo e agora voltei pra Santos.
17. Morei sozinho quando tinha 14 anos. Saí de casa pra treinar.
18. Diziam por aí que tenho uma síndrome de Ehlers-Danlos. Nunca quis saber se isso é verdade, mas acho que não. Tenho certeza que sou normal.
19. Já mijei no cesto de lixo da sala de aula. Na 3ª série.
20. Era inteligente, mas detestava estudar.
21. Tinha muitos amigos na escola porque era o lider da bagunça.
22. Depois de um tempo, foram aparecendo os inimigos. E as amigas.
23. Até a 4ª série eu tinha um tamanho normal. Depois parei de crescer e acompanhei, olhando de baixo, o crescimento do resto da turma.
24. Só fui ter pelos púbicos aos 16 anos.
25. Não sei se eu choro ou acho graça do item acima.
26. Odeio pelos.
27. Nos outros não me incomodam, mas em mim...
28. Odeio natal.
29. Adoro ano novo.
30. Já gostei de carnaval.
31. Gostava quando era alcoolatra.
32. Já bebi, caí e levantei. Várias vezes.
33. Já bebi, cai e fiquei. Várias vezes.
34. Já bebi e fiquei agressivo. Uma vez. Mas não me lembro.
35. Tenho amnésia alcoolica.
36. Hoje sou viciado em café.
37. Sou hipocondríaco.
38. Tomo remédio pra emagrecer desde os 15 anos e mesmo não fazendo mais efeito, não consigo viver sem.
39. Não durmo sem escovar os dentes, pelo menos 5 vezes.
40. Não durmo sem trancar a porta pelo menos 5 vezes.
41. Deito e durmo sem lembrar dessas coisas só quando chego muito cansado da balada.
42. Durmo pouco. Muito pouco. Mas depois de ir no médico descobri que isso não é insônia.
43. Quando estou muito cansado, durmo de qualquer jeito: em pé, encostado, na escada, no claro, na balada, no sofá, no chão, na piscina.
44. Mas acordo cantando, sempre.
45. Acordo com dores também... sempre. Nos ombros, nos pés, na coluna. Todo santo dia tenho dores matinais.
46. Já fiquei sem dormir 3 dias.
47. Fiquei insuportável!!!!
48. Não gosto de sol. Sou muito branco.
49. Não gosto de matemática.
50. Não gosto de celulite.
51. Naõ gosto de gente baixa.
52. Tem uma pessoa em especial que eu odeio. Eu sei que isso não me faz bem, mas eu tô trabalhando isso em mim.
53. Não gosto de rotinas. ODEIO ROTINAS
54. Não gosto de macacos.
55. Amo viajar.
56. Amo comer. E como!
57. Amo ginástica.
58. Fui pra dois panamericanos e não levantei do banco de rerservas.
59. Amo dançar.
60. Já dancei AXÉ com pouca roupa, pra ganhar R$ 50,00.
61. Já me humilhei demais pra minha idade.
62. Não sei se isso é bom ou ruim.
63. Amo sotaques.
64. Falo espanhol fluentemente. Falo espanhol com sotaque argentino.
65. Canto em inglês fluente.
66. Amo música.
67. Amo ginástica e música, acho que por isso resolvi trabalhar com a ginástica rítmica, né?
68. Amo meu trabalho, mas às vezes penso em desistir. Penso, por sinal, muitas vezes. Só não desisti ainda porque não conseguiria viver sendo michê enquanto não emagrecer.
69. Tô sempre de dieta.
70. Por longos e longos anos não sei o que é coca-cola.
71. Tenho medo de tomar coca-cola e ficar com celulite na bochecha.
72. Tenho celulite no bíceps.
73. Já fui beeeeem bonito. Tive 2% de gordura no corpo.74. Namorava nessa época.
75. Sempre namorei.
76. Namorei 5 anos uma menina. Íamos casar, juntar os trapos. Hoje estamos ambos solteiros e fazemos sexo casual. Sem compromisso é mais gostoso.
77. Tenho amizade com ex's em geral. Ex-amores, ex-alunos, ex-chefes, ex-coordenadores...
78. Só tive um amor em toda a minha vida. E não quero mais falar sobre isso.
79. Tenho 4 tatuagens e quero mais. Não sei o que, nem sei onde, mas eu quero.
80. Tenho a pele branca, muito branca, mas nenhuma tatuagem ficou colorida como vejo na foto do catálogo do tatuador.
81. Já fui muito competitivo, mas hoje em dia penso que sou diferente.
82. Aceito perder, desde que não sejam injustos.
83. Tenho 25 anos e perdi muito mais do que ganhei.
84. Sou decidido e batalhador, se precisar fico o dia inteiro no ginásio pra alcançar meu objetivo.
85. Gosto de festas, mas admito que faz tempo que não vou a uma.
86. Admiro as pessoas altas. Invejo as pessoas magras. Não ligo pras pessoas normais.
87. Sou normal: nem alto nem baixo, nem gordo nem magro (dizem), nem bonito nem feio, nem loiro nem moreno. Sou mto branco e totalmente espalhafatoso. Não consigo entrar em um lugar sem chamar atenção.
88. Tenho medo de ficar velho.
89. Tenho medo de ficar mais gordo.
90. Tenho medo de ficar velho, gordo e sozinho, dando treino de ginástica de bengala, gritando com meus atletas.
91. Nunca acordo em horas exatas.
92. Sou muuuuuito confuso.
93. Enjoo rápido das coisas.
94. Geralmente quando descubro que enjoei, não quero mais. E isso significa NUNCA mais.
95. Aí eu choro. Choro mesmo. Choro muito.
96. Gosto de cozinhar, mas sem pressão.
97. ADORO rir.
98. Odeio a Rua 25 de março. Mas se você for, me avisa. Quero que traga umas coisinhas pra mim.
99. Não gosto do orkut, nem do face book, nem do fotolog, nem do flickr, nem do myspace. Mas tenho conta em todos eles. Só sei logar e aceitar ou recusar as pessoas.
100. Não tenho sexualidade. Esse lance de bissexual, homossexual e heterossexual é muito complexo pra mim. Sou assexuado, simplismente porque é mais simples.
101. Apesar dos meus 1m73 e meio e apesar de não ter listado minhas principais qualidades, acreditem: sou uma grande pessoa.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Olá...

Primeira fase da minha viagem completa. Missão cumprida em Floripa. Aprendi tuuuuudo do novo código, fiquei feliz que fui reconhecido e lembrado pelas pessoas, fiz alguns passeios apesar do tempo ruim e conheci as mais belas praias da ilha. Sem contar que comi o melhor sushi de toda a minha vida.
Lagoa da Conceição, no intervalo do curso.


Passei aqui só pra dar o ar da minha graça, rapidamente, dizer que não esqueci de vcs e que quando acabar a minha peregrinação volto pra visitar a casinha de todos.

Hoje embarco pra segunda etapa de minha viagem. Não sei se comentei com vocês, mas eu a-do-ro aeroportos. Não tem uma explicação pra isso, eu simplismente adoro. Chego muitas horas antes do vôo e fico ostentando minha beleza e riqueza (??) passeando pelos saguões. Quase desfilando, com um ar blasé, sem comer sequer um pão de queijo, sem comprar uma revista, mas belíssimo na foto.

Impressionante a quantidade de pessoas bonitas por metro quadrado que tem em Floripa. Foi só um parêntese, eu tinha que comentar.

Com essa informação me despeço de vocês, queridos leitores.

Voltarei em breve, isto é, se eu não arranjar alguém que me tire da rota pra sempre. Pra sempre, mesmo sabendo que o pra sempre sempre acaba.


: )





Beijas

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Tchau...

Não existe coisa pior do que arrumar mala.
Quer dizer, até existe, mas pra mim, nesse momento, a pior coisa do mundo é arrumar mala. Mala pra 17 dias.
17 dias...

Dá pra imaginar o que uma pessoa indecisa como eu precisa levar numa viagem de 17 dias, que vai passar por 3 lugares diferentes???

Pois é, uma mala só não dá. Não tem jeito, não dá. Má vá tê qui dá! Não vou ficar por aí carregando mais de uma mala, não sou palhaço.

Já separei tudo (e isso não é pouco) que gostaria de levar. Já joguei dentro da mala e fechei. Agora preciso de um peso, pra sentar em cima dela enquanto eu fecho o ziper. Vou esperar a Zefa chegar pra me dar um mão!

Enquando a Zefa não chega (cada dia ela chega mais tarde) tô aqui no computador, selecionando as músicas que colocarei no mp3 e pensando se não esqueci nada.

Já tô agitado. Ainda tenho que dar aula hoje e só viajo a noite, mas já tô agitadinho.

Desejem-me boa viagem.
Tentarei aparecer por aqui nesses dias, mas não tenho tanta certeza se isso realmente acontecerá.

Devo voltar mais bonito, com a pele boa, mais bem-humorado... e o mais importante, com novidades pra contar aqui.



Eu sei, eu sei que vocês entirão muito a minha falta, mas eu juro que volto! É só uma viagenzinha rápida. Uma business travel, rapidinha. Vocês vão conseguir ficar sem mim esse tempo.

Juízo, hein??
Não façam nada que eu não gostaria que vcs fizessem na minha ausência.



(Tô besta, perdão)

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Agora vai...

Não era necessário ser assim.
Eu cansei.

Poderia ser diferente, poderia ser legal, poderia ser um zilhão de coisas. Mas eu não quero mais me arriscar. Ando cansado, dolorido, magoado. E eu não sou assim.

Cansei de me olhar no espelho e não me reconhecer. Sempre fui independente.
Vou pegar tudo que eu conseguir juntar nas duas mãos e jogar pro alto. O que não couber já nem fará mais parte das lembranças. Quando cair no chão, o que for forte o suficiente e resitir eu recolho, o que não aguentar a queda ou lascar como aqueles cristais frágeis eu jogarei no lixo. Isso mesmo, lixo orgânico. Nesse caso não vale mais a pena reciclar.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Please, don't stop the music.

Sinto que hoje, se a música parar, eu paro junto. A música que tá me levando, desde as 7h (hora que acordei naturalmente, sem despertador) até então. E não sei, mas sinto que se ela parar eu paro junto.

De qualquer maneira, não quero correr o risco. Só desligarei o som quando for dormir...

domingo, 9 de novembro de 2008

Diferente gente

Ontem, entretantos perdidos pela noite, entre tantos bares miados, depois da tarde que chegou a ser cansativa no shopping, descobri que posso seguir a diante e encontrar pessoas novas pra compartilhar minhas doideiras. E no meio de tanta gente, aquele que menos damos importância pode virar um ouvinte em potencial. Um colega em potencial. Um companheiro pra fazer o dia passar mais divertido.
Como disse Gonzaguinha em uma de suas canções:



"E aprendi que se depende sempre
De tanta, muita, diferente gente
Toda pessoa sempre é as marcas
Das lições diárias de outras tantas pessoas"
: )
Bom domingo.

sábado, 8 de novembro de 2008

Eu querooooo


Ai, como eu quero essa coisinha pequena que me ama só pq eu dei uma bicicleta. Interesseiro desde pequeno.
Agora ele já sabe falar no telefone e antes de desligar ele fala: "- Saudade, te amo, tchau!", num ritmo super acelerado, desligando logo em seguida sem ao menos escutar o que eu tenho pra dizer. Não é lindo???

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Sexta-feira do Thiago.

Tudo bem que hoje acordei cedo, pra ficar bonito e não me atrasar pra banca do TCC, o qual fui convidado. Porque assim, apesar de parecer besta eu tenho conteúdo. Não sou só um rostinho bonito e um corpo que dá pro gasto. E na província onde eu me encontro sempre sou lembrado quando o assunto é ginástica.
Claro que eu cheguei em cima da hora, pq não encontrava lugar pra estacionar na bendita universidade. Claro que me deu saudade desse ambiente acadêmico. Claro que depois fiquei pra tomar um café com os outros professores e falarmos sobre psicomotricidade e desenvolvimento motor (mas isso é irrelevante). Claro também que já fiz meus contatos, pensando que estarei na província agora e qualquer pessoa que queira sair comigo é bem vinda, já que não tenho mais tantos amigos disponíveis.
O fato é que hoje eu percebi o quanto sou exigente quando o assunto é ginástica. Não consigo gostar de qualquer coisa, não consigo tolerar erros bestas, não consigo deixar passar detalhes. Minha nota foi a mais baixa dos três professores que estavam na banca.
Depois do término da apresentação (os alunos foram aprovados, não se preocupem), depois do café, depois de passar no clube e assinar a papelada da próxima viagem, voltei pra casa ouvindo Madonna e pensando: "Pq não sou tão exigente assim quando o assunto é relacionamento? Pq deixo passar detalhes ou tolero erros bestas, que tornam a se repetir mais adiante?"
A resposta veio fácil em minha mente, dois segundos depois. Simplismente pq se eu fosse muito exigente nos relacionamentos eu estaria sozinho até hoje.
O que dá no mesmo, pq agora, à partir de segunda-feira, serei uma pessoa sozinha nesse mundo de meu Deus. Então eu deveria ter sido mais exigente, pelo menos não sofreria tanto.
Ahhhhh, mas mudando de alhos para bugalhos (esse assunto de relacionamento me irrita), hoje terei um dia só pra mim, é possível acreditar?
Sexta-feira do Thiago.
Isso mesmo, só vou trabalhar às 19h e até lá tenho toda a tarde pra fazer coisas pra mim: ir à praia, shopping, ver tv, fazer nada, enfim, o tempo é meu, posso fazer o que eu quiser. Não é emocionante? Tô super excitado com o dia do Thiago. Quero inclusive fazer isso todas as sextas-feiras.

Deixa eu ir, pois tenho que aproveitar meu dia.
Boa sexta pra vocês.





Ps1.: Sim, eu estou melhor, mas vamos combinar uma coisa: conversamos sobre qualquer assunto, menos "aquele assunto".
Ps2.: Alguém sabe me explicar quando se usa "porque", "por que" ou "porquê"? Eu sempre abrevio os pq's justamente pq não sei usá-los.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Meme

Esclarecendo que ainda não estou pronto pra voltar, mas vou responder esse Meme (assim com letra maiúscula, significa que tenho respeito) porque tenho medo de ficar paralítico, sofrer um acidente, perder o emprego, ou ficar sem sexo o resto da vida. O que deve ser meu destino, uma vez que a única pessoa que eu tenho vontade de fazer sexo... enfim, mudemos de assunto.

Meme:

Regras do memê:
*Passar para 5 pessoas.
*Assim que responder me envie um comentário avisando.
*Não esquecer que é um memê feito pelo Assuntos Assim, direitos totalmente reservados. *Responder todas as perguntas!

1- A última pessoa com quem falou hoje: Bia, minha aluna.
2- A última coisa que falou: "Bia, já que você não vem amanhã e sexta, vê se não come muito pq segunda-feira tenho que te carregar na paralela"
3- O último pensamento: "Tenho mesmo que responder esse Meme?"
4- A última pessoa com quem brigou: Minha mãe.
5- A última pessoa que se reconciliou: Minha mãe.
6- A última pessoa que falou de Deus pra você: O pastor da tv, hj de manhã qd acordei.
7- O último lugar que você gostaria de estar: Na praia.
8- O último filme que assistiu: Não lembro o nome. Nunca lembro.
9- O último livro que leu ou que está lendo: Variações sobre o corpo - Michel Serres.
10- O último presente que ganhou: Uma notícia bombástica de uma mudança repentina e um convite pro GP de F1.
11- A última coisa que gostaria de estar fazendo: Qualquer coisa. Hoje quero sombra e água fresca.
12- O ultimo telefonema feito ou atendido no seu celular ou telefone: O último telefonema foi engano.
13- O último conselho que deu e pra quem deu: Não dou conselhos, vendo. E ninguém quis comprar até hoje.
14- A última vez que chorou e por que: Domingo. Mentira, segunda. Nadaaa, ontem dei uma choradinha , daquelas discretas, enquanto conversava sobre o futuro com meu professor de canto.
15- O que faria hoje se fosse seu último dia de vida: Daria um beijo na testa da minha mãe, um abraço no gordinho do meu pai, correria pra São Paulo e passaria o resto das horas lá. Abraçadinho. Conversandinho.
Repasso para:
Thabata
Serginho
Sun
O menino que voa
Txiago

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

"É o velho amor, ainda e sempre..."

É gente, tenho que admitir. Infelizmente tenho que concordar que o amor (por mais que eu fuja disso) é o que nos movimenta.

Foram 2 meses sem nos ver. Exatos dois meses completos dia 01 de novembro. Sem ver, sem falar, sem ter contato. Mas todos os dias ocupando meu pensamento. Nesses dois meses voltei pra Santos, retomei alguns projetos que estavam na gaveta, revi meus amigos, fiquei mais com meus pais, trabalhei melhor. Nesses dois meses eu procurava me preencher com atividades. Nesses dois meses eu fui feliz, muito feliz. Mas me faltava algo.

Ontem me dei conta do que falta. Quando saí de casa, depois de passarmos o dia juntos, a rua estava vazia, o ônibus vazio, o metrô tb. Não percebia as cores, não ouvia música tocando, não tinha alegria nas coisas. E além disso, eu era só um corpo. Meu sorriso ficou na portaria do prédio, e tudo que eu podia sentir ficou no apartamento, que provavelmente será esvaziado ainda em novembro. Voltei pra Santos, sem ao menos uma mochila, sem nada material, e sem nada dentro de mim. Nada. Oco.

Lembram daquele sentimento de vazio que eu não sabia o que era?? Pois bem, agora eu sei. E o pior, eu sei que esse sentimento vai me acompanhar durante muito tempo.
Nós nos amamos, exatamente igual, exatamente da mesma forma. Nem a distância, nem nada que aconteceu nesse tempo interferiu no que sentimos. Terminamos há dois meses pra evitar que o choque fosse pior. Mas já sabíamos o que ia acontecer: a pessoa que eu amo voltará pra Belém e eu não irei junto. Isso foi me dito, só que eu não acreditei. Achei que era desculpa, do tipo esfarrapada, quando a pessoa não quer mais e não sabe o que dizer.

Segunda-feira, dia 10 de novembro, de manhã cedo, essa pessoa que é essencial pra mim vai partir, e eu não sei o que fazer.
Só consigo chorar.

Até dia 23 tenho que esvaziar o apartamento, entregar as chaves, e deixar lá tudo de melhor que eu já vivi na minha vida. Voltar definitivamente pra casa dos pais.
Até dia 10 tenho que rezar, pra Deus me dar força, e me dar mais alguma coisa que eu não sei o que é, só pra tirar essa sensação de vazio que eu sinto.

No mais, tenho que dar conta de outros prazos, cumprir minha agenda. Competições, apresentações, treinos, espetáculos. E eu me pergunto como conseguirei isso agora, uma vez que minha única vontade é ficar na cama.

Certamente isso passará, como tudo na vida, mas por enquanto não tenho mais vontade disso aqui. Não tenho cabeça. O que uma pessoa oca tem pra dizer pros outros???
Vou me ausentar, até que eu encontre um remédio que me faça sentir melhor.

Pretendo voltar logo, com notícias boas, alegres. Com algo bom pra passar, ou com a cura do câncer. Não importa, quando voltar vai ser pra ser como sou. Porque, por hora, não consigo ser nada além de uma pessoa deprimida, chata e melancólica. E isso, ninguém merece!

domingo, 2 de novembro de 2008

Resumindo:

Madruguei no portão, estou surdo, congelei de frio, não vi nem a cor dos carros passando, não tive assunto durante a corrida, não me diverti porque estava com a cabeça em outro canto, ouvi muitos papos engajados e sobre política internacional, fiquei conversando com uma quarentona cheia de botox e vi muita gente bonita. Muita mesmo. Pelo menos isso.


Não estou em condições de escrever detalhes ainda. Além do cansaço, minha cabeça não está funcionando direito.
Só quero a minha cama.

sábado, 1 de novembro de 2008

GP do Brasil de F1.

Não tenho mto tempo pra belongas, mas saibam que fui convidado pra assistir a corrida amanhã, e aceitei.
Tenho que correr pra comprar uma roupa, não tenho em Santos um guardarroupa (seguindo as novas regras gramaticais) para eventos dessa estirpe.
Tenho também que me informar sobre os corredores, pra não ficar sem assunto durante o evento, e escolher um deles pra torcer, fielmente, como se torcesse por ele toda a vida.


: )

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Hj não tem nada por aqui


Resolvi ficar com a máxima: "se não tem nada de bom a dizer, então não diga nada".



Beijos
e bom fim de semana.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Murphy existe, e me odeia!

Depois de uma semana sem correr por causa do caos da competição do dia 25, na terça-feira achei que era um dia bom pra voltar a ativa: um sol lindo, a tarde inteira dormindo na minha cama (só minha) e muita energia para gastar da comida da casa de mamãe. Esperei o sol baixar e fui. E parece que todos, eu disse todos, pensaram a mesma coisa. Cheguei na praia 20h e ela estava lo-ta-da. Ok, a praia não é minha, mas me irritou ver aquele amontoado de gente querendo dividir o mesmo espaço e atrapalhar minha corrida. Há exatamente uma semana atrás ngm me enchia o saco quando eu ia correr. Enfim, também reparei que tinham algumas coisas novas na praia. Ambulantes na areia, crianças empinando pipas, sujeira em excesso, gente gritando e passando pelo meio do jogo de futebol que acontecia em toda a extensão da praia. Santos tem 7 km de praia e pelo que eu podia ver, os 7 km estavam lotados.

Pq?!?

Por causa do calor? Pq era dia do servidor público? Pra me irritar? Ou era só um aviso pra eu não correr com tanta gente estranha junta?

Não sei! Reparei também que tinham umas barraquinhas montadas na areia, onde as pessoas passavam, pegavam água e devolviam frequencímetros. "SANTOS É MAIS QUALIDADE DE VIDA" é o que dizia na barraca que ironicamente estava posicionada entre um ambulante vendendo bebida alcoólica e um banco de adolescentes que fumavam maconha.


Já estava enrolando demais e resolvi começar calmamente minha corrida, com meu Ipod no ponto e desviando das pessoas estranhas. A primeira música é suave, pra eu começar na moral, e as outras são mais agitadas. Faço meu set list de acordo com o dia da semana. Alguns dias corro mais tempo, logo, coloco mais músicas e quando corro menos, obviamente coloco menos músicas, só que mais rapidinhas, pra compensar. Coisa minha, só eu entendo, mas eu gosto assim. A primeira música era bem tranquila, e eu corria pela areia, tentando ficar feliz com aquela muvuca que me rodeava. Quando de repente vejo uma bola rolando na minha direção.
Eu sabia! Eu tava sentindo, ela se aproximava e não perdia a velocidade nem com o atrito na areia. Ela ia cair no meu pé, e eu teria que chutá-la, e eu não sei chutar. Fiquei em DP de futebol na faculdade durante 3 anos, e só passei nessa matéria por piedade do professor. Quer me ver nervoso é colocar uma bola no meu pé e me pressionar pra chutá-la.
Caralho, tanta gente na praia e ninguém pra entrar na frente da bola e chutar ela antes de mim. E ela continuava se aproximando, eu podia ouvir os gritos e assobios dos meninos que jogavam, pra eu pegar a bola. Aumentei o volume do Ipod (que infelizmente não aumenta muito) pensando que eles saberiam que eu não tava escutando e me fiz de louco correndo e olhando pro horizonte. Aí que Murphy resolve agir.
A bola começa a desacelerar bem na minha frente e não tem jeito. Tinha que chutar a bola. Pior, tinha que parar de correr, parar a bola com a mão e chutar a bola, que não ia percorrer o caminho que eu gostaria. E sair, com vergonha, mas bonito. Ai, como eu queria saber chutar bolas em movimento. Já ia ser menos vergonhoso.
Só que quando a bola estava bem perto mesmo, mudei de ideia. Resolvi ousar, já que ando ousadinho ultimamente. Diminui o ritmo da corrida e encostei na bola com a parte externa do meu pé direito, só pra ela me conhecer, e começar a rolar pro outro lado. Eu nem sabia com qual pé chutar. Não tenho prática nisso mesmo.
Tudo ia dar certo, se não fosse meu pé esquerdo. Passei o peso do corpo para a perna esquerda, no intuito de deixar a perna direita livre e leve pra fazer um chute bonitinho, esticando a ponta do pé, como tentaram me ensinar na faculdade e depois continuar meu trote. Só que meu pé esquerdo não tava preparado pra suportar toda minha massa. Além de eu ser uma pessoa com muita massa muscular (e não gordo rsrsrs), a areia não dava muita instabilidade e eu tenho os dois pés operados, que não funcionam muito bem. Ahhh e claro, Murphy estava lá por perto, o que foi decisivo.

Caí!

Meu pé inchou na hora, como de costume, e eu queria levantar, sorrir e fingir que estava tudo bem, que tinha tropeçado em alguma sugeira, mas eu não consegui.
Não senti dor, mas ele tava meio durinho, inchando. Não conseguia movimentá-lo direito. Logo chegaram muitos populares ao redor, e os meninos que vieram pegar a maldita bola que tava parada na minha frente, me olhando.
Os populares foram embora quando viram que só era uma pessoa jogada no chão e os meninos estavam indo quando um deles falou:
"- Hey, você é o Thiago?"
- Sim, te conheço???

E o resto do bando virou pra mim.

"-Cê apareceu na tv sábado, eu vi. Tu faz aqueles negócio de pulá né?"
"- Podes crê, tu é o treinador da Bruninha, ela nunca saía com a gente pq tava sempre no treino."
"- Tu tem um fotolog, aquele muleque dos ossos de vidro, que vira o pé ao contrário."
"-Será que quebrô, ele é todo mole"

O time todo se reunia em volta de mim, mas ninguém perguntou se eu tava bem. Hauhauhauhauha
Esperar demais de adolescentes.

Eu já tinha esquecido como é ser uma pessoa popular em Santos. Eu nunca tinha visto aquelas pessoas mais gordas na minha vida, mas eles sabiam quem eu era. E ninguém se preocupou comigo... exceto um, de óculos, magrelo. Ele inteiro devia ser da largura da minha coxa. Veio da barraquinha "SANTOS É MAIS QUALIDADE DE VIDA" com gelo num saquinho, jogou no meu colo e disse que o médico ia vir me ajudar. E todos voltaram pro jogo. Na verdade o magrelinho não tava preocupado comigo, ele queria mesmo não parar jogo.

Consegui levantar, nem usei o gelo, nem usei o médico.
Eu tinha um objetivo e não ia deixar um tombinho me abater. Andei um pouco, pra sair do lugar da queda, voltei pra primeira música e tentei começar a correr. Impossível. Meu pé parecia um pão de queijo. Tirei o tênis e fui pra beira d'água, caminhar. Eu fazia sempre isso na fisioterapia, não ia piorar.

Fiz todo o set list caminhando, na água, sem ninguém no meu caminho. Deixei a areia pro povão que queria disputar o espaço e ainda fui cantando, praticamente sozinho, com a água pelo joelho.

Pior que cair é cair em público. Pior que cair em público é cair na cidade-ovo onde todo mundo te conhece. Pior que isso é ninguém se preocupar com você.

Hauhuahuahau

Mas eu não deito. Nem pro Murphy!

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Psiquiatra ou psicólogo??

Eu gostaria de um profissional que me explicasse porque sinto esse vazio. Não é tristeza, não é solidão. Dói, mas dói diferente da dor do desamor. Dói como se fosse oco dentro do meu peito, como se sobrasse espaço pra todo ar que eu respiro. Dói respirar.
Mas não me sinto só. Me divirto com meus amigos, me aventuro fazendo coisinhas que eu jamais faria em outras épocas, saio, canto no videokê, converso, brinco, dou risada, encarno personagens, realizo fantasias. Não estou triste. Longe, bem longe de me sentir triste. Não é isso. É vazio de alguma coisa que eu não sei o que é. Como posso preencher se não sei o que preciso.
Não me venham com essa de que preciso namorar, me relacionar, conhecer alguém. Não quero, e não é isso que me falta. Eu sei que tá tudo bem, mas de repente, quando eu paro, esvazio.
Não consigo me concentrar nas minhas coisas, não consigo me concentrar em mim. Cadê meu egocentrismo que tava indo tão bem??
Eu tava indo todo bem. Espetáculo em fase final, corridas diárias, trabalho tranquilo, sem neurose, sem estresse. Mas, de repente... esvaziei.

Preciso me preencher. Preciso de algo que me preencha. Não sei o que é ainda, mas não me chamo Thiago se ainda nessa semana eu não descubrir isso. E isse será o último post melancólico que coloco aqui.

Ahhh, eu vou descobrir!!

: )

terça-feira, 28 de outubro de 2008

O dia de não fazer nada.

Era um tempo que eu tava precisando. Uma calmaria. Não fazer nada. Curtir aquele momento pós-gozo, se é que existe essa palavra.
Ontem eu não pude fazer isso, porque meu nome é "trabalho" e meu sobrenome é "pra caralho". Mas também não tava com a mínima vontade de aparecer na frente do computador. Não é nada pessoal, mas eu tava sem saco, sem paciência.
Só que hoje (babem) é dia do servidor público, e (pasmem) eu não farei nada o dia inteiro. Vou deixar meu corpo branco e roliço jogado na minha cama macia durante horas e horas, até eu não aguentar mais. Quando isso acontecer, desço um pouco, corro na esteira, volto e me jogo na cama denovo.

Pode existir algo melhor do que dar aula pra crianças, ganhar presente no dia dos professores, e de quebra um feriado (que ninguém sabe me explicar pq existe) no meio da semana?

Bom dia de trabalho pra vocês, pobres mortais.
Eu, funcionário público, vou descansar um pouco!


: )

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Sinceramente...

Hoje não tô com vontade de escrever.

Só quero deitar, relaxar e me curtir.

Sem palavras, sem mais nada...




Amanhã eu volto.
: )

domingo, 26 de outubro de 2008

sábado, 25 de outubro de 2008

Sábado. Onde é a festa?

Pessoas modernas como eu programam o post. É claro, com a vida social atribulada que eu tenho (ahan), não teria tempo estar sentado na frente do computador no sábado de manhã. Essa hora vocês devem ter acabado de acordar, com suas caras amassadas, cabelos bagunçados e o corpo ainda preguiçoso (eu sinto inveja e assumo). Eu já estou "7 i 8" no ginásio. Agitado, corrigindo, andando de um lado pro outro, fazendo a competição acontecer. Assim é a vida de um técnico de ginástica. Quem disse que é moleza?
Enfim, não é sobre isso que eu pretendo falar.
Tô boquiaberto. Como uma pessoa moderna como eu não sabe o que é MEME? Claro, que por dedução acabei sacando, mas eu nunca ouvi falar nessa porra de MEME. Tem um significado, ou é alguma palavra inventada por alguém?

Vou fazer o MEME que me foi proposto porque é o que tem pra hoje. E vocês vão almoçar, ler meu MEME, dormir um pouco, dar uma voltinha, tomar um lanche e eu ainda estarei no ginásio. É a vida, né?

Nome: Thiago.
Idade: 20 e poucos.
Local de Nascimento: Rio de Janeiro.
Peso: Nem imagino, aliás só imagino. Imagino que seja 65.
Altura: 1,73 e meio. E esse meio é importante pra mim.
Apelido de infância: Não lembro de ter sido apelidado na infância. "Thi", talvez.
Qual é a sua maior qualidade? Sou sincero e embora eu ache que é defeito, as pessoas me convenceram de que é uma qualidade.
E seu maior defeito? Ter a boca mais veloz q o cérebro. Quando percebo, já falei.
Qual é a característica mais importante em um homem? Ter pinto.
E em uma mulher? Ter xoxota?!?
Qual é a sua idéia de felicidade? Ter uma pessoa ao meu lado que eu possa rir todos os dias, conversar sobre qualquer coisa. Envelhecer junto com ela, mas não envelhecer muito. Ter um apartamento, uma empregada, acordar a hora que quiser e ter sempre as contas pagas e dinheiro sobrando no banco.
E o que seria a maior das tragédias? Eu morrer hoje, sem nada disso.
Quem você gostaria de ser se não fosse você mesmo? A Xuxa.
E onde gostaria de viver? NY, ou São Paulo mesmo. Pensando bem, poderia ser São Vicente, desde que longe da minha mãe.
Qual é sua cor favorita? Laranja.
E o seu desenho animado? Vc já viu ele?
Quais são os seus escritores preferidos? Gosto da Clá, do Cainho, do Paulinho. Gosto de ler, isso sim!
E seus cantores e / ou grupos musicais? Alanis, Madonna, Marisa Monte, ahhh sei lá. Essa é a pergunta que fiquei mais confuso...
O que te faz feliz instantaneamente? Sexo. Sexo bom.
Quais dons você gostaria de possuir? Gostaria de ser como o Sylar, de "Heroes", que absorve todos os dons alheios.
Tem medo da morte? Não, mas não quero ela por perto.
Quem é seu personagem de ficção favorito? Sydney Bristow.
Qual defeito é mais fácil de perdoar? Perdoo tudo. Só não perdoo traição.
Qual é o lema de sua vida? Olha bem pra minha cara.
Qual sua maior extravagância? Sou todo extravagante.
Qual sua viagem preferida? Hummm, não sei. Tive várias viagens ótimas, e outras nem tão ótimas assim, mas estava bem acompanhado. Não consigo lembrar de uma só.
Se pudesse salvar apenas um objeto de um incêndio, qual seria? Como assim? Ia sair correndo, salvar merda nenhuma.
Qual é o maior amor de sua vida? Não amo mais.
Onde e quando foi mais feliz? Calmaí, deixa eu pegar meu "querido diário".
Qual é sua ocupação favorita? Ficar desocupado.
Pensa em ter filhos? Não mais.
Quantos? Hmmm, nenhum...
Um animal de estimação: A Madonna, mas ela me irrita.
Uma atividade física: Correr na praia todos os dias, me alongar todos os dias e dançar quando sobra tempo.
Um esporte: Ginástica, mas não pratico nem que me paguem muito bem.
Um prato que sabe fazer: Aqueles de argila. Aprendi no primário. Como o chama o primário agora???
Uma comida que adora: Japonesa.
Uma invenção tecnológica sem a qual não vive: Celular. Adoro jogar snake no celular.
Gasta mais dinheiro com: Gazolina.
Uma inabilidade: Jogar futebol.
O que não faria em nome da vaidade? Acho que hoje em dia faria qquer coisa, mas tenho medo de cirurgia plástica.
Uma mania: Estalar o pescoço. Quantas vezes eu conseguir.
Uma saudade: Não sinto mais.
O primeiro beijo: De todos? Ai, sem graça essa...

Seguindo a ordem natural das coisas, tenho que indicar 5 pessoas, que não seja a filha da puta que me mandou. Apesar de achar que ninguém merece essas babaquices, mas previnindo o que dizem que acontecerá caso eu não passar adiante esse MEME (um ano sem sexo, morrer, adoecer ou sofrer um acidente de carro), quero saber mais da vidinha de
BK®, Serginho, Bete, Guilherme e Thabata.

Divirtam-se, crianças!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Retrô

Então que eu estou numa fase retrô da minha vida. Ouvindo músicas que me remetem a adolescência, sendo achado no orkut (odeio orkut) por amiguinhos do colégio, sentindo as dores nas costas que sentia na adolescência, andando mal humorado como quando eu tinha 15 anos. Mas não tenho mais 15 anos.
Eu queria ter o peso de quando eu tinha 15 anos. A disposição que eu tinha aos 15 anos. A vontade de abraçar o mundo (e todas as pessoas bonitas que habitam ele) que eu tinha aos 15. Aliás, aos 15 eu abraçava muito. E beijava tb... Aos 15 eu era danadinho.
Agora não tenho mas paciência pra pessoas.
Agora eu queria ser mais danadinho! E menos mal-humorado.

Hoje é sexta.
Ahhh, amanhã é sábado, tenho competição, que delícia!

: )

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

O meu livro.

Queria escrever um livro. Não um livro de conselhos, porque eu não sei aconselhar ninguém, mas sim um livro de "coisinhas, dicas".
Eu tenho muita coisa pra acrescentar na vida das pessoas. Eu poderia ajudar muita gente, ganhar best sellers, fazer um bem pra humanidade e ainda ficar rico.
Acredite, tenho estágio e vivência em muita coisa que serviria pra ajudar você, por exemplo, que está me lendo agora. Conteúdos que eu poderia abordar no meu livro, com muita segurança:
Dicas para acabar com um relacionamento.
Dicas de como engordar 16 Kg em dois meses.
Dicas de como esquecer "ex" em um mês.
Dicas de como acabar com suas economias rapidamente.
Dicas de como desaparecer sem deixar rastros.
Dicas de como seduzir a pessoa errada.
Dicas de como detonar um carro novo.
Dicas de como se humilhar em público.
Dicas de como ser sincero sempre (não importando se os outros seres humanos tem sentimentos).
Dicas de como brigar diariamente com sua mãe.
Dicas de como perder seus amigos.

Vou amadurecer essa idéia.
Já tô até pensando no prefácio e na noite de autógrafos. Um luxo só!

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Vazio, vazio...

Hoje acordei parcialmente descansado. Sinto agora um cansaço diferente. Quando eu treinava o cansaço era misturado com prazer. Agora me sinto cansado e ponto. Cansado de tanto fazer coisas pelos outros, de organizar, liderar, de tentar. Aliás eu tô cansado de tentar faz é tempo!
Sinto também um vazio. Sinto falta de alguma coisa, que não sei o que é. Não é de um relacionamento, como vcs devem estar pensando, essa coisa de cara metade, tampa da panela. Nada disso. Sinto falta de algo.
Não sei, mas vocês já sentiram falta de algo???
Nem meu celular novo com blue tooth (tô me divertindo com ele), nem a notícia de que meu carro voltará hoje, nem um convite pra passear no shopping me fizeram sentir preenchido.

Quem sabe algumas roupas não o faria. Vou sugerir às pessoas que se preocupam comigo. Me presentear com um guarda-roupa novo, pra ver se preencho esse vazio.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

...

"EU só impressiono o meu próprio público..."


E hj tô só o pó da rabiola...
Amanhã eu volto decentemente... (ou não)

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Tem gente que me irrita.

Tem gente que me irrita. Mas eu não estava na condição de escolher. Sem carro, sem celular, sem amigos disponíveis e agitado pra sair de casa, tive que aceitar o primeiro que apareceu. Eu podia esperar mais 10 min no msn e ver se alguém se habilitava a sair comigo, uma vez que meu nick era "por favor, alguém me tira de casa", mas não aguentei. Precisava sair urgente. Eu tenho dessas fobias, me dá os 5 minutos e eu não consigo ficar em casa. Minha mente começa a trabalhar, meu coração acelera e eu fico imaginando que em New York no mesmo momento em que eu estou aqui ocioso, pessoas estão se arrumando pra curtir a noite na cidade que não pára, e isso me dá um certo desespero. Quero bombar também.
Voltando ao que interessa: tem gente que me irrita!
Eu sei, eu sei que não sou uma pessoa "inerritante", mas esse blog é meu e eu quero falar de quem me irrita.
Gente que não é direta me irrita. Que faz rodeios, enrola, enrola, nunca chega onde tem que chegar. Gente poética me irrita. Me irrita quem anda pela rua curtindo tudo: o vento, o barulho as crianças correndo (crianças correndo me irritam), a chuva, a fila. Gente fresca me irrita e nem preciso explicar porque. Gente deprimida me irrita, gente feliz demais me irrita. Gente que manda spam me irrita, gente que canta pra dentro me irrita.
Eu não conhecia muito bem esse moço. Ele é amigo de uma amiga minha e está no meu msn por acaso. Trabalha com informática e uma vez fez um favor de editar uma música pra mim, e desde então ele permanece no meu msn, sempre on line, sempre ali. Eu nem reparava nele, mas pelo jeito ele reparava em mim. Tanto que se ofereceu pra me tirar de casa (e eu aceitei). tsc tsc. Acreditem, ele é tudo que me irrita.
Ok, ok, não quero repetir que eu não tinha outra opção, mas eu realmente não tinha outra opção e tinha que sair de casa.
Assim que ele chegou eu já estava embaixo do prédio. Já começou me irritando pela buzinadinha "panparâpanpan... panpan" desnecessária. Eu já estava lá, o carro não tinha vidro filmado e apesar de não tê-lo visto muitas vezes eu conseguia identificá-lo. Enfim, corri pra não pegar chuva e entrei. Assim que entro e respiro fundo ele me lança: "- Que chuva, né?"
Não respondi, sorri e procurei o cinto de segurança.
-Então, pra onde vamos??
-Você quem manda, sou só o motorista hoje!
Já me irritou. Gosto de decisão. Enfim, eu comecei a guiá-lo pra onde eu queria ir, no shopping. Já que eu que mandava, aproveitei.
No caminho de 2 min até o shopping, ele conseguiu cantar pra dentro, fazer piadinhas sem-graça e demonstrar uma alegria fora do comum. Será que eu estava sendo muito maldoso ou ele era uma versão masculina da Polyana. Enfim, resolvi ficar quieto e só absorver o que me interessava, ou seja, pouquíssimas coisas.
Já no shopping ele não mudou. Continuava feliz ao extremo, brincava com crianças no colo das mães, ria das próprias piadas enquanto eu procurava a Unique pra comprar meu perfume. Esse era meu único objetivo: comprar o perfume e me mandar. Achei a loja, entramos e comprei. Queria que tudo fosse rápido, pra acabar com meu sofrimento.
Depois de estar feliz, com meu Dolce & Gabbana em mãos, ele, que se chama Felipe, sugere tomarmos alguma coisa. Minha vontade era negar, mas não tive cara-de-pau de fazer isso e aceitei.
Sentamos na praça de alimentação cheeeeia e ele pediu uma torre de chopp, mesmo eu falando que não bebia (com ele). Pedi meu suco verde, que só chegou quando chegou a torre já estava no meio (e olha eu fui reclamar duas vezes). Chopp vai, chopp vem e eu no suco verde. E ele cada vez mais engraçadinho.
Como eu não percebi os sinais???? Jesus, o menino, coitado, tava carente. Queria conversar, não tinha amigos e tinha um carro. E eu também queria isso, se ele não fosse tão chato. Depois que ele começou a me irritar é que eu queria só um carro com motorista. De preferência que me levasse no banco traseiro. Eu tava sendo muito duro.
Resolvi ser mais flexível. Flexibilidade é uma qualidade que eu tenho. Assim como a humildade. uahuhauha
Enfim, desfranzi a testa, descruzei os braços e pensei: já que tá no inferno, abraça o capeta!
Comecei a conversar de fato com o Felipe. Ele não era tão chato como parecia. Tava só tentando parecer legal, por isso ficava chato. Mas a primeira impressão que tive dele ainda me acompanhava.
Mais uma torre. Ele bebendo sozinho. Eu já estava com medo, afinal ele voltaria dirigindo.
Papo vai, papo vem, falamos de tudo que se pode imaginar. 23h, o shopping quase fechando, a praça de alimentação semi-vazia. Felipe vai ao banheiro.
23h15 nada de Felipe voltar.
Já comecei a imaginar coisas. Minha imaginação é muito fértil.
23h20 e cadê Felipe?
Fui até o banheiro, imaginando encontrá-lo todo vomitado, abraçando o vaso sanitário e falando sozinho. Nada seria mais engraçado do que isso e meu lado maldoso tava torcendo pra que minha noite acabasse assim. Mas não.
Quando abro a porta Felipe está lavando o rosto. Normal.
Minha vez de fazer piadinhas: "Poxa, pensei que você tinha ido junto com a descarga". (Mentira, o que eu imaginei foi muito mais engraçado).
Quando ele vira pra mim eu posso notar os olhos inchados. O menino tava chorando. Ele é do tipo bêbado depressivo. Era só essa que me faltava.
Fingi que não vi nada de diferente e já saí do banheiro.
Fomos embora e no estacionamento eu pergunto se ele tá bem pra dirigir. Ele me responde: "-Você foi atrás de mim porque eu tava demorando muito?"
Não era bem a resposta que eu gostaria de ouvir.
Digo que sim e já logo pergunto denovo se ele tá bem, pra não dar brexa pra ele lembrar do porque estava chorando, mas quando eu olho pra ele, com a chave na mão tentando abrir o carro, já está chorando denovo.

Jesus, o que eu fiz pra merecer isso???? Foi o que me passou pela cabeça.

Nem precisei perguntar porque ele chorava, assim que entrei no carro ele já começou a contar. Consolei o garoto, e cheguei em casa 01:15 cansado, de tanto baixo astral. Sou péssimo pra consolar alguém, sou muito prático pra resolver o problema dos outros. Frio, eu diria.
Perdi a noite, mas ganhei um amigo. Um amigo que não quero sair nunca mais pra beber, mas pra ele eu serei um amigo.

Só por Deus...

Quando a gente pensa que tá fudido, tem sempre alguém pior que a gente. Acredite!

domingo, 19 de outubro de 2008

Horário de verão

Graças a Deus começou o horário de verão!

E graças a Deus hj vai ser um dia mais curto.

rsrs

: )

sábado, 18 de outubro de 2008

Caso você queira saber...

Estava numa numa festa ontem. Open bar. Numa casa no alto do morro, na beira da piscina, com a vista panorâmica da cidade de Santos. Meu celular não funciona, graças a Deus, mas eu pensei em te ligar. Só pra saber como você está. Só pra dizer que eu ainda gosto de você. Que eu te amo, mas tenho medo dessa palavra.
Conheci a Renata, a moça que serve cerveja no bar. No open bar. Ela era loira, alta, falava bem, era ágil, e gostou de mim. Eu também gostei dela. Gosto de todo mundo, esse é meu problema.
A festa era fechada para 200 pessoas. Eu estava na lista vip, mesmo não sendo mais vip em Santos, lugar que eu abandonei durante tanto tempo. Fui com um amigo e ele era a única pessoa que eu conhecia. Depois de 4 cervejas eu já conhecia todo mundo. E já gostava de todo mundo. E todo mundo já me parecia mais bonito. Eu queria te contar isso também.
Dancei muito, fiz xixi no mato, olhando a cidade de cima, fiz meu amigo e meus novos amigos rirem bastante. As pessoas disseram que eu era fofo. Você ia ter orgulho de mim. Ia ter orgulho porque eu bebi de uma forma controlada, fiquei engraçado e não chato, porque eu estava bonito, porque eu tava feliz.
Eu não beijei ninguém. Porque eu não quis, que isso fique bem claro! Oportunidades não me faltaram.
Se estivessemos juntos você não viria a Santos, não iria a essa festa comigo. Caso eu conseguisse esse milagre, você não ia segurar a minha mão na festa, não ia gostar que eu cohecesse a Renata, não ia gostar que eu dançasse muito. Aí eu ia ficar de cara amarrada, me sentir preso. E ia acabar ficando aquele tipo que você não gosta: o bêbado-chato. Iríamos voltar pra casa mudos ou discutindo no caminho. Você ia reclamar que eu dirijo muito rápido quando bebo, e eu ia reclamar da relação. Em casa eu ia tirar as roupas "impuras" e dormir no sofá, e você ia fazer seu ritual da beleza, passar por mim pela sala duzentas vezes antes de dormir, e finjir que eu não estava lá.
Mas ontem não.
Eu saí, me diverti. Só me diverti.
E eu queria te contar, que apesar de tudo, eu preferia estar me divertindo com você, mas que essa é uma idéia que não entra mais na minha cabeça. E você pode não saber, mas agora só me tem importância as coisas que passam por dentro de mim. Aquele lance do egocentrismo. E é ele que não deixa essas idéias de fato entrarem na minha cabeça.

Só queria te contar...